terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Arnon volta atrás e continua líder da bancada cearense


Após consecutivos desgastes políticos, quando teve sua liderança questionada por membros da bancada cearense de deputados federais, tendo, inclusive, anunciado que deixaria o cargo, o deputado federal Arnon Bezerra (PTB), disse ontem, 30, em reunião com a bancada, que voltou atrás na decisão e continuará a frente no cargo até o fim do seu mandato, que vai até o fim do ano.

ESPARAMOS que esse seja o último capítulo dessa novela. Até porque o povo cearense não merece ser penalizado pelas intrigas internas da sua bancada. Em Brasília, quando a bancada está desarticulada, quem perde é o estado. Então o que esperamos é que se resolva o problema o quanto antes.

Arnon ameaçou por vezes deixar o cargo, mas acabou sendo convencido, principalmente, por seu aliado político Manoel Salviano (PSD) a relevar e seguir a frente dos deputados cearenses. Salviano sabe bem a importância dessa liderança para as pretensões do seu grupo em Juazeiro do Norte. A direção das verbas, além de outras informações privilegiadas passa por essa liderança. E, nesse momento, saber o rumo dos investimentos antecipadamente e um grande trunfo.

Agora a dúvida é se com a decisão o deputado trará também o resgate da sua influência pessoal em Brasília, o que estava bem aranhada e, por isso, teria iniciado todo esse desgaste. Se isso, não acontecer vai continuar acontecendo que outros parlamentares, com mais influencia, tomem a frente e o desgaste continue.

Ou seja, é importante que a permanência de Arnon não seja apenas uma estratégia para fortalecimento de um grupo localizado, sob pena de perdermos investimentos por falta de união na bancada. Vamos torcer e esperar para ver o que acontece.

Aldemir Martins é o pré-candidato do prefeito Júnior em Mauriti

O secretário de Administração de Mauriti, Aldemir Martins, deve ser o nome do PT local e do prefeito Isaac Júnior na disputa para a sucessão municipal deste ano. A decisão foi tomada durante uma longa reunião com secretários e lideranças de Mauriti, ontem a noite, em Juazeiro do Norte. Além das lideranças da cidade e do prefeito Isaac Júnior, participaram o secretário das Cidades do Estado, Camilo Santana, e o deputado federam José Guimarães.

DUAS COISAS chamam atenção na decisão. Uma é que Aldemir Martins tem apenas três anos de filiação, o que, pode causar certa desconfiança dos petistas mais não antigos. A outra coisa é o fato de Aldemir ter conseguido a indicação sendo o homem responsável por dizer o “não” na administração, o que, deve ter lhe rendido alguns antipatizantes. Mas, isso não deve ser problema já que seu padrinho, o prefeito Isaac Júnior, goza de uma aprovação de 76% entre bom e ótimo.

Agora é importante ressaltar que Aldemir supera a indicação do vice Maninho (PRB), que está no cargo desde o primeiro mandato. E aí, justamente, de um aliado das primeiras horas pode vir a maior dor de cabeça para o PT. Maninho é pré-candidato e desejava contar com o apoio do prefeito e o fato de ter perdido a indicação pode causar um rompimento.

Mas, a decisão deve ter sido tomada com a perspectiva da confiança e manutenção da sigla no poder. Maninho, apesar de aliado, não é do PT e nesse aspecto os petista são bem corporativistas. Então, apesar da oposição do PSDB do jovem Marcio, estar se articulando e sedenta com a possibilidade de atrair Maninho para suas trincheiras, a coisa ainda está bem fácil para o prefeito fazer seu sucessor. Além de uma grande aprovação, ele já conta com nove partidos, podendo chegar a onze siglas fechadas com a continuação do projeto. O detalhe é que em Mauriti existem apenas treze partidos.

segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

STF volta a investigar Raimundão diz revista Época


O ex-prefeito e deputado federal Raimundo Macedo (PMDB) volta a ser investigado pelo Superior Tribunal Federal (STF) sobre fraudes contra o Banco do Estado do Ceará (BEC), hoje privatizado. A informação é da coluna Tarda e Falha, do jornalista Felipe Patury, revista Época.

O assunto foi tema de muitos debates na época da CPI do BEC e ficou engavetado por muitos anos; mas, agora o STF começa a investigar. Afirma o jornalista.

Veja a nota na integra:

Há na Câmara um deputado que atende por Raimundão. Eleito pelo PMDB cearense, ele é acusado de organizar uma fraude ao Banco do Estado do Ceará em 1996. Raimundão teria feito lobby para que a instituição liberasse financiamentos federais para pessoas que desviaram o dinheiro da finalidade e nunca pagaram suas dívidas. Só 16 anos depois que o crime foi cometido, o processo começou a tramitar no Supremo Tribunal Federal.

O FATO nos alerta para uma verdade: Raimundão não tem realmente a defesa como princípio, seja qual for a acusação. Isso nos leva a especular sobre dois motivos. O primeiro é que não existe defesa e, ao se calar, o deputado assume a culpa, ou seja, consente. O outro é político, como alias, vem repetindo em sua rádio. Ele entenderia que tudo isso não passa de perseguição política e por isso não responde as acusações.

Agora se imaginarmos que o motivo é o segundo, seria melhor Raimundão repensar seus conceitos, já que, os processos são encabeçados por órgãos da justiça, o que, naturalmente, é utilizado por seus adversários como arma para desgastá-lo. Mas, depois de tudo isso, fica uma dúvida: porque o caso BEC teria ficado tanto tempo engavetado? Seria porque estávamos sobre a gestão do PSDB, partido que até hoje Raimundão é fiel? É parece que a política, tanto persegue, quanto protege!

Protesto de moradores lembra um ano da tragédia do Canal do Rio Granjeiro no Crato


Cerca de 50 moradores do Centro do Crato protestaram na manhã de sexta-feira, 27, contra a lentidão das obras de recuperação do Canal do Rio Granjeiro. As obras completaram no sábado, 28, um ano, após a trágica enchente que atingiu a cidade, inundando o Centro e prejudicando casas e lojas comerciais, além de ter destruído parte do canal.

A manifestação teve como objetivo chamar a atenção das autoridades públicas para o problema. Os moradores temem que a tragédia se repita com a chegada da quadra invernosa.

PRIMEIRO, a manifestação foi esvaziada e assim perdeu o poder de pressão frente às autoridades. Acredito que um dos motivos foi a forma como foi pensada. O movimento não partiu de um grupo de organizações como, inclusive, estava sendo previsto. Ele foi antecipado por uma iniciativa individual, atrapalhando o planejamento e articulação, o que, causou um desvio da verdadeira discussão que deveria ter sido travada com o poder público.

É sabido que as pessoas estão preocupadas com a situação do Canal, mas, também, é importante que essas pessoas não partam para esse tido de iniciativa apenas com a voluntariedade individual. Antes é preciso que elas se interem da discussão que está em curso. Entidades como o Fórum de Araripense de Combate a Desertificação, têm estado a frente dessa discussão e pode nortear o rumo estratégico das ações. Então é importante que, quem pretende se inserir na discussão procure se inteirar onde e como está e como sendo discutido.

Agora com relação a culpa, todos são culpados. Não adianta a prefeitura querer empurrar o ônus para os governos federal e estadual, porque ela é quem gere o município. A ação deve partir, primeiramente, dela. O canal transbordou por uma série de fatores como falta manutenção e a impermeabilização do solo, com o asfaltamento das áreas mais altas, sem o devido estudo sobre os impactos ambientais; e isso, é de exclusiva responsabilidade da prefeitura municipal.

O governo tem sua culpa na falta de critério de liberação e acompanhamento dos recursos aplicados nas obras emergenciais. Agora não podemos esquecer que essas obras são paliativas, não resolverão o problema. Na verdade, o problema só será resolvido, após uma ampla discussão sobre a revitalização do Rio Granjeiro e os outros rios pertencentes a Bacia do Salgado; a responsabilização do poder público municipal em viabilizar outro destino para os esgotos que hoje são despejados no canal, além da sua manutenção periódica; entre outros.

Ou seja, se juntar as organizações que discutem o problema na sua essência é o primeiro passo para responsabilizar a quem de direito e iniciar a resolução do problema.

Cuba limita em dez anos a permanência em cargos de poder


O PCC (Partido Comunista de Cuba) aprovou neste domingo, 29, a medida que limita a dez anos o tempo máximo de permanência em cargos do poder. A intenção é promover quadros mais jovens no governo, o que promoveria a viabilização de novas ideias.

Raúl Castro, que assumiu o comando do país depois da saída de seu irmão, Fidel Castro, puxou a discussão em abril do ano passado no Congresso. A decisão deve limitar a dois mandatos de cinco anos os ocupantes dos cargos. O anúncio se dá em meio a uma série de reformas econômicas que visam reativar a frágil economia cubana. O regime já autorizou, por exemplo, a compra e venda de casas, antes proibida na ilha.

A DECISÃO do governo cubano é um tapa de luva nas democracias que a vida inteira criticaram o regime pedindo democracia. Não quero aqui fazer apologia a regimes totalitários, longe disso, mas que a atitude cubana, lança uma grande dúvida sobre nossos regimes democráticos que, na verdade, não passam de ditaduras da maioria, onde apenas uma pequena parcela mais rica da população se apodera do que é público, se ocupando do poder por gerações, como se ele fosse uma propriedade particular que se transfere como herança.

Democracia é participação! É preciso que a sociedade organizada se coloque a frente dessa discussão, pedindo uma reforma política urgente e que traga no seu bojo a garantia de maior participação popular nas esferas do poder, sob pena de sermos deixados para trás por quem enxerga o futuro da democracia com mais eficiência e participação. Achei que jamais iria dizer isso, mas, nesse momento, é preciso ter Cuba como exemplo.

sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

Ciro Gomes na versão paz e amor faz palestra em Barbalha


O ex-deputado e ex-governador Ciro Gomes esteve na cidade de Barbalha, esta semana, ministrando palestra sobre economia durante o evento festivo de entrega do Premio Contribuintes do Ano. Foram cerca de 50 minutos, onde Ciro evitou fazer afirmações polêmicas se prendendo apenas a temas como história, poesia e felicidade.

O que chamou a atenção foi que, mesmo nas conversas de bastidores, Ciro evitou as famosas declarações e saiu sem fomentar qualquer polêmica.

PARECE que finalmente a experiência chegou a Ciro. Brincadeira! É claro! Quem sou eu para questionar a experiência política de Ciro. Mas, brincadeira a parte, que ele parece estar mais cuidadoso, isso parece! Talvez o fato de não se tratar de um evento político, apesar das muitas personalidades políticas presentes, tenha incentivado o lado mais conservador de Ciro. Agora, análises políticas a parte, Ciro é um grande palestrante e um grande conhecedor de economia.

Durante a palestra, Ciro traçou um perfil da economia brasileira e mundial desde o fim da segunda grande guerra, colocando o Brasil numa posição de ponteiro desse processo, tendo hoje uma das maiores economias do mundo. E aí, concordo plenamente com ele quando diz que o benefício já está chegando ao povo, principalmente, quando podemos comprar bens que antes era impensável. Ainda há muito a fazer com relação a distribuição de renda, mas, o que percebemos é que estamos no caminho certo.

Somos uma democracia muito nova e estamos aprendendo a conviver com ela; aprendendo, principalmente, a reconhecer o poder que temos e, tenho a certeza de que vamos, num futuro muito breve, fazer muito bom uso desse poder.

Para finalizar, é interessante ressaltar que é sempre um prazer ter Ciro Gomes por perto; seja qual for versão.

Cid não quer confrontar com o PT em Fortaleza


Em entrevista a TV O Povo, programa Studio News, o governador Cid Gomes (PSB), disse que se depender dele o PSB não terá candidato próprio a prefeito de Fortaleza e manterá a aliança com o PT. No entanto, ele deixou claro que exigirá alguns critérios para a definição do candidato que desejar seu apoio.

Disse Cid sobre os critérios: “É fundamental que o nome, na ordem cronológica, primeiro consiga fazer aliança partidária, a mais ampla possível; e, segundo, que no momento da campanha, seja o nome que inspire na população confiança.”

PARA BOM ENTENDEDOR, que tenha a sua confiança. Cid quer manter a aliança, o problema são as exigências que, até agora, não foram muito consideradas pela prefeita Luizianne Lins. Cid deseja, na verdade, evitar que outra Luizianne chegue ao poder na capital. A prefeita tem sido um calo no pé do governador.

O que se houve nos bastidores é que o nome preferido por Cid é o caririense Camilo Santana, seu secretário das Cidades e com quem tem estreita relação de amizade. Agora até convencer Luizianne que Camilo é o nome, passarão muitas madrugadas e articulações intermináveis e, isso, sem qualquer esperança de que dê certo.

Não vamos esquecer que Camilo é ligado ao deputado federal José Guimarães, que pertence a uma corrente que diverge internamente da corrente de Luizianne. Quando se trata de poder, é como misturar água e óleo, o que, não impede que um bom acordo consiga fazer com que alguma das partes deguste a mistura. Resta saber quem estará disposto a ceder.

Existe, inclusive, uma declaração do petista Ilário Marques, ex-deputado estadual e ex-prefeito de Quixadá, ao Jornal O Estado, de que o atual secretário de Educação Elmano Freitas, seria o candidato do PT em Fortaleza. O problema da afirmação é que Ilário não pertence a nenhum desses grupos que comandam o PT e, tampouco, fala por eles. Então é melhor esperar o desenrolar das articulações. Só acredito no nome quando a própria Luizianne vier fazer o anuncio.

No mais, o certo é que Cid tem feito seu papel para manter a aliança e espera que o PT faça o dele. Tarefa difícil para o deputado José Guimarães.

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Os caminhos da terceira via em Juazeiro


Nos últimos dias os deputados federais Arnon Bezerra (PTB) e Manoel Salviano (PSD), pré-candidatos a prefeito de Juazeiro, tiveram agendas bem distintas com relação aos caminhos da sucessão municipal. Enquanto Arnon Bezerra esteve em rádios locais defendendo a união da oposição e criticando a administração municipal, o deputado Manoel Salviano continuou distante dos holofotes, mas presente nas articulações políticas. Entre outras coisas, Salviano jantou com o prefeito Manoel Santana (PT).

É IMPORTANTE destacar que, no atual momento, a discussão política aponta claramente para quatro grupos disputando espaço para a sucessão municipal em Juazeiro. Dois deles são oposição, um é situação e o outro circula entre oposição e situação. E esse último é justamente a chamada terceira via, composta por Manoel Salviano, Arnon Bezerra e Vasques Landim.

O problema dessa terceira via é que nos últimos dias, eles foram aos extremos quando Arnon assumiu uma postura clara de composição com a oposição. Enquanto Salviano conversava com o prefeito Santana e não descarta apoiá-lo. Das três lideranças, Vasques é o único que ainda não se manifestou. Então a analise é a seguinte: poderia esse grupo estar realmente dividido? Ou a estratégia é realmente essa, buscar fôlego de ambos os lados? Análise difícil.

Certo mesmo e bem definida, está a oposição do ex-prefeito e deputado federal Raimundo Macedo (PMDB), além de PSOL e PSTU que ainda não apresentaram candidato. E, vale salientar, essas duas oposições tem chances mínimas de união.

Alcymar Monteiro reafirma candidatura e diz que não será vice


Em matéria publicada pelo portal Ceará Agora, o cantor Alcymar Monteiro (PDT), pré-candidato a prefeito de Juazeiro, reafirmou a sua pretensão de disputar a prefeitura e descartou a possibilidade de compor outra chapa como vice. Alcymar disse que se considera uma via alternativa em comparação aos outros partidos. Ele acredita que a sigla virá para a disputa em pé de igualdade. Alcymar, porém, reconhece que será uma missão difícil.

ACREDITO que essa última frase, resume a tarefa de Alcymar e do PTD no Juazeiro. Na matéria o cantor destacou ainda que não se considera uma terceira via e, realmente, ele tem razão, a terceira via e aquela que tem possibilidade de disputar com igualdade de força a prefeitura e esse, definitivamente, não é o caso de Alcymar Monteiro.

Outra coisa que torna difícil o caminho do PDT é a postura de se colocar irredutível como cabeça de chapa. Com uma candidatura sem viabilidade eleitoral, como o partido pretende atrair outras siglas para a coligação sem ter o que oferecer; sim, pois, ninguém compõe sem uma perspectiva de poder.

Agora, se o PDT continuar com essa postura é bem provável que, realmente, dispute apenas como projeto alternativo, juntando-se a PSOL e PSTU. Mesmo assim, boa sorte!

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

Carlos Cruz se defende e complica ainda mais Raimundão no caso INSS


O ex-prefeito de Juazeiro do Norte, Carlos Cruz, citado pela justiça no caso dos desvios de recursos do INSS, noticiado semana passada pelo Jornal do Cariri, encaminhou defesa a Secretaria da Receita Federal em Fortaleza, pedindo isenção do pagamento de multas pelo não-recolhimento das contribuições. A defesa de Carlos Cruz alegou que seu sucessor, Raimundo Macedo, não encaminhou as informações solicitadas pelo INSS sobre transferências de contribuições previdenciárias. O pedido foi acatado e, segundo cálculos da defesa, Carlos Cruz é devedor de um valor próximo de R$ 20 mil.

O INTERESSANTE é que mesmo sem ser candidato a nada o ex-prefeito Carlos Cruz, procurou se defender, diferente de Raimundo Macedo que continua negando a dívida, mas sem apresentar provas em sua defesa. E pior, desqualificando parte da imprensa como se ela fosse culpada pelos seus erros administrativos.

Na verdade, Raimundão precisa, urgentemente, fazer as defesas, tanto administrativa, quanto política. A situação se agrava e ele não encontrará uma solução se acuando e culpando a imprensa. Na política quanto se é atacado o melhor a fazer é tentar o diálogo com as forças contrarias para estancar as denuncias. A máxima: “o ataque é a melhor defesa” não funciona na política. Quando se tem uma boa carta na manga o melhor é negociar, já que, nesse momento estar na linha de tiro, em qualquer posição, é sempre desfavorável.

Ou seja, Raimundão precisa fazer sua defesa na forma da lei, para justificar a questão administrativa e sentar com o prefeito Manoel Santana para, juntos, pensarem uma solução para o problema financeiro da prefeitura e, assim, estancar a questão política. Ninguém é culpado enquanto o processo não é tramitado e julgado e Raimundão deve se apegar a isso na defesa com a sociedade. Agora vamos esperar para ver o que acontece!

Washington Fechine avança na formação da sua base aliada


O prefeito de Missão Velha, Washington Fechine, parece realmente estar disposto a aumentar a base aliada que defenderá sua reeleição. Segundo informações já estariam fechados com o prefeito o PSD, PMDB, PV, PCdoB, PRTB, DEM e PRB, além do PSB, seu partido. E as noticias que chegam é que o prefeito Washington continua conversando para aumentar ainda mais essa base.

PARECE que na Missão Velha a corrida eleitoral realmente já começou. O detalhe na informação é que Washington consegue juntar na sua base, inimigos históricos como PCdoB e DEM. E mais, separando-los de aliados de todas as horas como PT e PSDB. Ou seja, o golpe é direto no coração da oposição.

Outro fator a ser destacado é a importância dos partidos juntos na empreitada. Washington tem o apoio de três, entre os quatro maiores partidos do Congresso (PSB, PMDB e PSD). Sem falar na forte militância do PCdoB e PV. Ou seja, Washington já tem ao seu lado o maior tempo nos programas gratuitos de rádio e ainda deve enfrentar uma oposição dividida, tanto pela ideologia, quanto pelas questões locais.

Diferente de 2008, realmente Washington deve ter oposição neste ano; mas o que fica, até agora, é que essa oposição está desmobilizada e se continuar assim, não deve oferecer resistência ao candidato do governador.

Deputado Ely Aguiar critica reforma de Praça no Crato


O deputado Ely Aguiar (PSDC) divulgou texto onde critica a reforma da Praça Siqueira Campos, no Crato. No ano de 2010 a Praça foi reformada com recursos advindos de emenda parlamentar do seu mandato, a qual para o deputado estava de bom tamanho. Ele observa, no texto, que na reforma foram substituídos os mosaicos por pedras portuguesa e de Santana, o que qualificou como piso nobre.

O PRIMEIRO aspecto da critica é que ela é infundada. O projeto do governo previu a requalificação das praças do centro do Crato. Não teria sentido reformar todas as praças e deixar a Siqueira Campos como uma nota dissonante. Sem falar que o piso utilizado na primeira reforma (pedras portuguesa e de Santana), retirado agora para a colocação de mosaico, não era, assim, tão nobre como qualifica o deputado. Não sou engenheiro, mais percebo que a pedra portuguesa dificulta a locomoção por não ser uma superfície totalmente plana, além de com o tempo haver deslocamento das peças, e a pedra de Santana quando molhada fica extremamente escorregadia.

Mas, acredito que o verdadeiro motivo da critica não foi técnico. Na verdade, o deputado ficou chateado porque na época da primeira reforma, o trabalho foi muito criticado pela população, o que não aconteceu agora. Ficou aí uma ponta de mágoa com o povo do Crato.

Outro fator que deve ser levado em consideração é que Ely Aguiar começa a fazer couro com o prefeito Samuel Araripe, na critica as ações do governo do Estado. Ely tem tentado ser uma ponte entre Samuel e Cid Gomes, no que, vale salientar, não tem tido êxito. E aí será um problema para Ely se o governador resolver subir em algum palanque no Crato. De que lado ele vai ficar? Já que, na Assembleia ele não faz oposição ao governo.

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

Presidente do PT de Barbalha se defende sobre a Faculdade de Medicina e fala de alianças


O presidente municipal do PT barbalhense, Antônio Elder, em conversa com o jornalista Madson Vagner, titular desta coluna política, falou sobre suas posições acerca da Faculdade de Medicina e sobre as possíveis alianças para a eleição deste ano.

SOBRE as acusações de que ele teria publicado em sua página no facebook que a Faculdade de Medicina seria um elefante branco e que não teria importância nenhuma para a cidade, o presidente Antônio Elder, respondeu que jamais falaria tal absurdo. Ele alegou que sua página do facebook foi raqueada e utilizada para lhe desgastar moralmente. Elder reafirmou que sua discussão sobre o assunto sempre foi com relação a manutenção do antigo Colégio Santo Antônio, importante patrimônio histórico da cidade. O Colégio foi extinto e seu prédio, hoje, abriga a faculdade.

O problema é que a oposição, pouco preocupada com essa versão dos fatos, tratou de disseminar o assunto e o desgaste já está consumado. Ao presidente do PT barbalhense, resta deixar a poeira sentar e ir se explicando aos poucos.

Quanto a aliança que defenderá o nome de Zé Leite a reeleição, pouco ficou claro. Ele disse apenas que estavam com sete partidos, mas, não os citou nominalmente, o que mostra que ainda não houve um fechamento definitivo e a articulação está apenas no campo da conversa.

Ainda sobre alianças, o refresco veio com notícia do Jornal do Cariri sobre o possível apoio do deputado federal José Arnon ao prefeito Zé Leite. É inegável que a vinda do PTB para a base do Zé Leite é um ganho significativo, agora é preciso analisar os motivos dessa aliança. Ora, Rommel deixou o PTB e voltou ao PSDB, então existe a possibilidade de Arnon estar chateado, o que, torna a aliança uma questão pessoal entre Arnon e Rommel, não uma articulação política de Zé Leite ou do PT.

O certo é que Zé Leite tem preocupado a direção estadual do PT. As lideranças do PT estadual avaliam que Zé Leite precisa se abrir para o diálogo, sob pena de ficar isolado, inclusive, dentro do próprio PT.

Deputado Artur Bruno diz que falta investimento em transporte público


O deputado federal Artur Bruno (PT) disse em gravação ao blog da Dilma (dilma13.blogspot.com), que os gestores das grandes cidades cometem o equívoco de priorizar o transporte individual. Segundo ele o transporte coletivo foi deixado de lado.

O deputado destacou ainda o aumento da oferta de ônibus e topiques em Fortaleza, mas afirmou que é preciso investimentos nos terminais, como forma do melhor atendimento à população. Como proposta para Fortaleza, Bruno sugeriu que o planejamento da cidade seja uma constante, além da presença do gestor nos bairros.

NÃO PODEMOS esquecer que Artur Bruno é um dos nomes que podem disputar a sucessão de Luizianne pelo PT. E essa crítica, nesse momento, parece coisa de discurso de campanha de quem quer chamar a atenção da prefeita. O que não dá para entender é se essa crítica é positiva ou, na realidade, a entrevista significa fogo amigo sobre a administração da prefeita Luizianne Lins.

Agora, em uma coisa ele tem razão: nossos gestores, principalmente, das grandes cidades são ineficientes. Sem o melhoramento do transporte coletivo estaremos fadados ao estresse no trânsito cada vez mais complicado e rumando para o caos. Investimento e organização são necessários, mas isto, por si só não basta. Para resolver o problema, sem o artifício do paliativo, será preciso um audacioso plano de educação e conscientização sobre responsabilidade ambiental e convivência social, focada, principalmente na nova geração.

Mas, voltando para o campo da política partidária, onde acredito ser o alvo do deputado Artur Bruno, ele precisa realmente de uma sacudida para ser notado por quem decide. Agora, vale salientar, que será preciso mais que isso para se tornar o candidato da base aliada. Ele precisará de uma forte defesa do seu nome, o que, não parece existir, nem dentro da administração, nem no PT.

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Raimundão chamado para definir o vice


O deputado federal Raimundo Macedo (PMDB), pré-candidato a prefeito de Juazeiro do Norte, começa a receber pressão para definir o nome do vice na sua chapa. Hoje, segunda-feira, o deputado deve sentar com o grupo que representa o ex-governador Adauto Bezerra e, na conversa, será cogitada a possibilidade de rompimento caso Raimundão não anuncie oficialmente o nome de Dedé Carneiro como seu vice.

SOBRE a reunião não se sabe ainda se acontecerá em Juazeiro ou Fortaleza. Mas, segundo informações de bastidores, a conversa será conduzida pelo próprio Adauto Bezerra que deseja ouvir de Raimundão a certeza que o nome será divulgado e a questão devidamente fechada.

O problema é que a partir do momento que Raimundão definir seu vice com tantos meses de antecipação, ele diminui, consideravelmente, suas opções de negociações. Já é difícil sentar numa mesa de negociação tendo a definição da cabeça da chapa, imagine com chapa completa. Fica pouco a oferecer. É claro que eu falo dos grandes partidos.

Com o anuncio, Raimundão deve dar adeus, por exemplo, a possibilidade de apoio do grupo de Manoel Salviano que não viria sem, no mínimo, compor a vice. Outra perda definitiva para Raimundão é o apoio do governador Cid Gomes (PSB), já que, acabaria a possibilidade de composição com Roberto Celestino. O atual vice-prefeito de Juazeiro já disse que não abre mão de, no mínimo, continuar vice-prefeito.

Para resumir, quando se começa uma articulação muito cedo se corre o risco de defini-la, também, muito cedo. E isso, pode inviabilizar alianças que podem definir a eleição. Ou seja, Raimundão está colhendo o ônus da sua pressa e como pena pode ficar sem Salviano, Arnon, Vasques e Cid Gomes. E muita perda por uma simples decisão.

domingo, 22 de janeiro de 2012

PT recorre a movimentos sociais para barrar avanço do PMDB

O PT vem, nos últimos meses, intensificando sua aproximação com os movimentos sociais. A estratégia é uma tentativa de somar forças fora do campo institucional para levar adiante projetos estratégicos e, sobretudo, confrontar o PMDB no seu plano de crescimento.

Com a aproximação aos sindicatos e movimentos sociais, os petistas acreditam poder desequilibrar a atual correlação de forças entre os dois partidos, inclusive nas eleições municipais deste ano, território onde o PMDB historicamente apresenta bons resultados: em 2008, os peemedebistas elegeram 1.207 prefeitos contra 558 prefeitos petistas.

O PROBLEMA é que enquanto o PT rema na direção da reaproximação com os movimentos, o governo Dilma se afasta deles sem a menor cerimônia. Para se ter uma ideia, no final do último ano o governo federal retirou da ASA, entidade de congrega quase 500 entidades do semi-árido brasileiro, R$ 180 milhões, dinheiro que alimentava o programa 1 milhão de cisternas.

Agora, é verdade que os movimentos sociais nunca estiveram tão fortalecidos quanto no governo do PT. O que não impede deles avaliarem que nesse momento estão perdendo espaço. Então, para que a estratégia comece a dar certo é bom chamar o Lula para continuar aconselhando a Dilma. Ele conhece bem esse terreno, a final, ele veio de lá.

Quanto a estratégia de seguir de perto o PMDB, é melhor que o PT comece a pensar em outras estratégias. O PMDB sempre foi muito forte em nível municipal e já anunciou que pretende ampliar esse número. Ou seja, conclamar os movimentos sociais não significa ampliação, sim recuperação do que estava prestes a perder.

sábado, 21 de janeiro de 2012

Marcos Cunha vai pedir ajuda para formar sua base no Crato


O pré-candidato petista a prefeitura do Crato, o médico Marcos Cunha, reuniu um grupo de filiados para fazer um planejamento da pré-campanha hoje, sábado, na sede do Sindicato dos Bancários do Cariri. Durante o encontro foi discutido agenda, comunicação e articulação para formação da base de apoio a sua candidatura.

PARECE que Marcos Cunha e o PT cratense acordaram para a realidade. Segundo informações, foi avaliado que o processo de articulação com outras siglas está atrasado e, mais que isso, quase irreversível. Bem a frente nesse processo estão o empresário Ronaldo Matos (PMDB) e o deputado estadual Sineval Roque (PSB) que já contam com vários partidos fechados com suas pretensões.

Com o reconhecimento da dificuldade de articulação, o grupo decidiu pedir ajuda a lideranças de expressão estadual e nacional para intervir a favor da candidatura de Marcos. Os parlamentares acionados para a tarefa devem ser o deputado estadual Antônio Carlos, líder do Governo na Assembléia e o deputado federal José Guimarães, futuro líder do governo na Câmara Federal.

Ou seja, mesmo atrasados, em relação aos concorrentes, o PT parece estar disposto a recuperar o tempo perdido. O problema é que a coisa não será tão fácil, já que, os outros pré-candidatos também contam com grandes lideranças que poderiam inviabilizar a pretensão. Mas, vamos esperar para ver o que acontece.

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Cid Gomes negou apoio a Arnon e Salviano em Juazeiro


Em audiência, articulada pelo deputado federal Arnon Bezerra (PTB), realizada ainda na semana passada, o governador Cid Gomes negou apoio as possíveis candidaturas de Arnon e Manoel Salviano (PSD), também presente na reunião. O deputado federal Manoel Salviano teria aderido à base aliada do governo Cid no congresso, justamente para pleitear esse desejo.

O RESULTADO da reunião mostra que Cid continua apostando na união da base aliada em Juazeiro. Segundo informações de bastidores, ele teria dito que existe uma fila e que Manoel Santana (PT) e Roberto Celestino (PSB) estariam a frente dos dois pleiteadores. Cid teria aconselhado ainda, os dois deputados federais que procurassem Santana ou Celestino para se articularem.

Bom, na perspectiva do prefeito Manoel Santana, isso representa certa segurança com relação a manutenção da aliança feita na eleição passada, mas também um sinal de alerta com um crescimento potencial de Roberto Celestino. Já na perspectiva de vice-prefeito Roberto Celestino, significa um sinal verde para colocar a pré-candidatura na rua.

O problema é se Arnon e Salviano, continuarem com a pretensão de chegarem a prefeitura. Afinal eles estão bem colocados na chamada terceira via da eleição. A falta sentina na reunião foi do ex-deputado estadual Vasques Landim (PR) que ainda está colocado como pré-candidato, mas não assume o rompimento com o grupo.

A dúvida é se Vasques resolveu decretar independência e, realmente, partir para uma candidatura com ou sem o aval do grupo liderado por Salviano. Seria, no mínimo, corajoso. Vale salientar, que ele é o único dos três que está sem cargo, ou seja, não tem nada a perder. Basta apenas, é claro, convencer seu partido que pode chagar lá.

PDT terá candidato a prefeito em Fortaleza


O Partido Democrático Trabalhista (PDT) terá candidato a prefeito de Fortaleza nas próximas eleições. Isso foi o que afirmou na tarde de ontem (19), o deputado estadual Heitor Férrer. Segundo o deputado, o partido já decidiu que todas as capitais brasileiras terão candidatura própria. O próprio deputado Heitor Férrer anunciou sua pretensão e disse estar na disputa pela indicação do partido.

ACREDITO que para o fortalecimento da democracia, quanto mais candidatos melhor. Mas, analisando os fatos friamente, o que percebemos é uma tentativa de emplacar uma candidatura sem uma articulação focada nesse objetivo. Existe um movimento que tenta se organizar contra a candidatura da base aliada (PSB, PT e PMDB), mas que ainda não se definiu com relação ao nome. O que sinto da afirmativa do PDT e mais uma tentativa de entrar nessa disputa.

O deputado Heitor Férrer não anunciou nenhum partido disposto a embarcar nessa aventura. O deputado disse apenas que irá se reunir com PPS, PP, PR e PTC. O problema é que esses partidos também já se articulam com PSDB e DEM. Agora venhamos e convenhamos, será que Heitor Férrer tem fôlego para entrar na briga com Marcos Cals? Acredito que se houvesse essa possibilidade, o candidato seria o deputado federal André Figueiredo.

Ou seja, o PDT nacional pressiona as lideranças regionais, mas parece desconhecer as suas realidades.

Welington Landim reforça apoio a Washington Fechine


O deputado estadual Welington Landim (PSB) declarou esta semana durante encontro com o prefeito de Missão Velha, Washington Fechine (PSB), que dará apoio de forma irrestrita a Washington na reeleição. Welington disse ainda que é certo o apoio do governador Cid Gomes a Washington.

NA VERDADE, a afirmativa do deputado Welington Landim vai de encontro ao que o PT local disseminou sobre a possibilidade do governador Cid não fechar apoio em Missão Velha, em consequência da divisão da base aliada. Mas, a questão de Missão Velha é diferente. Washington é do PSB, partido do governador, e já é prefeito; cargo que conseguiu, inclusive, com o apoio do PT na eleição passada. Neste caso, o fato da base aliada estar dividida, não impede o apoio e a manifestação de Cid Gomes.

Outro fato que deve ser colocado é que, apesar do crescimento da oposição, ela deve marchar dividida. O PT se articula por um lado e o PSDB por outro. E não poderia ser diferente, já que, existe uma resolução por parte de ambos os partidos que proíbe a aliança entre eles.

Agora o fato curioso é que essa proibição só vale para as siglas, ou seja, se um militante migra de um lado para o outro é aceito sem reservas. Isso é aceitável pelo lado democrático do cidadão, mas não deixa de ser contraditório pelo lado ideológico.

Mas, o certo é que o prefeito Washington Fechine depois de ter perdido terreno no final do ano passado, com o rompimento de ex-aliados e permitindo o avanço da oposição, parece ter acordado e já dá sinais significativos de melhora na sua articulação.

PCdoB começa definir estratégia para 2012 no Ceará


Com o pensamento de preparar a militância para a campanha eleitoral, o Partido Comunista do Brasil (PCdoB) começa, ainda neste mês de janeiro, a realização de uma série de fóruns com o objetivo de discutir a escolha de candidatos, formação de coligações e estratégias eleitorais. A meta da sigla no Ceará para este ano é eleger pelo menos 12 prefeitos e 130 vereadores, o dobro de 2008, quando saiu do pleito com 56 vereadores e cinco prefeitos.

NO CARIRI, o PCdoB já vem trabalhando há muito tempo para formar uma base significativa, principalmente, depois das filiações do prefeito de Farias Brito, Vandevelder Freitas, e do ex-vereador do Crato Valdetário Brito. Além é claro, de ter se colocado na oposição em Barbalha, onde está à frente de um grupo que já soma 10 partidos.

Agora com relação a realização de fóruns de discussão é apenas o cumprimento de uma máxima seguida pela grande maioria dos partidos interessados em fazer boas alianças ou pretenderem disputar candidaturas majoritárias. Ou seja, não deve ser encarado como diferencial. Agora, o partido precisa mesmo é continuar ampliando seu arco de aliança em nível regional para fortalecer suas pretensões em 2012, mas sem desviar o olhar de 2014.

O PCdoB é um partido de vanguarda. Faz política desde antes da ditadura militar. Tem conhecimento acumulado, suficiente, para avaliar que só os fortes sobreviverão se a reforma política passar. E os comunistas que já sobrevivem há mais de 80 anos, e não querem perder para concorrentes com menos de 30. Ou seja, os comunistas, com ou sem reforma, devem continuar rolando os dados.

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Presidente do PT de Barbalha critica Faculdade de Medicina

Repercutem as declarações do presidente municipal do PT de Barbalha, Antonio Elder, feitas em sites de redes sociais sobre a Faculdade de Medicina da UFC em Barbalha. Elder chama a faculdade de “elefante branco” e diz que a entidade não trouxe nenhum ganho para cidade. O presidente petista argumenta ainda que a instituição não tem sequer 10 alunos de Barbalha.

PARECE que o prefeito Zé Leite está realmente passando pelo chamado inferno astral. Já não bastassem todos os problemas políticos existentes, o prefeito terá que amenizar os devaneios do presidente do seu partido, junto a sociedade barbalhense.

Mas, as declarações do comandante do PT barbalhense, trazem ainda outro aspecto, o da falta de entrosamento entre o partido e a administração. Os discursos se confrontam causando um verdadeiro “samba do crioulo doido”. Ou seja, ninguém se entende.

Agora, o presidente Antônio Elder deveria conversar mais com quem entende do assunto antes de fazer declarações sem base e despolitizadas. Nossa região começou seu crescimento graças a visão de homens que pensaram o desenvolvimento da educação superior no Cariri. Uma faculdade de medicina numa cidade como Barbalha, significa progresso e visibilidade, o que fortalece vários setores econômicos e sociais.

Quanto ao pequeno número de barbalhenses estudando na faculdade, talvez seja porque a faculdade está em Barbalha, mas não é para uso exclusivo de seus moradores. A faculdade é federal e, portanto, pertence ao povo brasileiro, não só aos barbalhenses; o que, não tira o mérito de Barbalha sediar uma Faculdade de Medicina de uma Universidade Federal.

Para resolver a situação, o prefeito Zé Leite deve mostrar sua liderança dentro do partido e conter as declarações infelizes do seu presidente.

Reforma limitada pela política


Aconselhada pelo ex-presidente Lula na última quinta-feira, a presidente Dilma Rousseff decidiu acelerar a reforma ministerial. Serão substituídos, primeiramente, os ministros que disputarão as eleições de outubro. A idéia é retomar as conversas políticas sobre as mudanças e fazer o anúncio dos novos nomes ainda na próxima semana. A principal mudança, segundo fontes do PT, é a volta de Marta Suplicy. Informações apontam o ministério da Ciência e Tecnologia como destino da senadora petista.

A orientação de Lula é reduzir as mudanças para não provocar qualquer desequilíbrio das forças políticas que apóiam o governo. No caso de ministro que apresenta baixo rendimento na gestão, Dilma deve determinar a troca, apenas, do secretário-executivo, mantendo o titular da pasta para evitar problemas políticos.

BASEADO na nossa cultura política, estranho seria se Dilma levasse em frente uma reforma ampla e com critérios técnicos. Estamos às vésperas de uma eleição municipal em que todos os partidos procuram ampliar sua base nos municípios para se fortalecerem para as negociações futuras. O PT tem um grande trunfo nas mãos e cometeria um equivoco histórico se partisse para a negociação deixando em segundo plano o critério político.

Agora, nessa estratégia, é importante saber onde vai ser encaixado o ex-deputado Ciro Gomes (PSB), já que, o ministério da Ciência e Tecnologia deve ir para Marta. Acredito que ela deva assumir realmente a pasta, pois pelo que conhecemos da índole de Marta, ela não abriria mão da disputa em São Paulo por nada. Dilma deve ter firmado compromisso.

Mas, o que deve ser destacado é a situação da presidenta Dilma. Ela tem a vontade de privilegiar o critério técnico, mas é obrigada pelas forças do poder, a indicar seus ministros pelo critério puramente político. Para se uma ideia, teremos uma sexóloga, como ministra da Ciência e Tecnologia. A minha pergunta é: até quando, iremos privilegiar esses usurpadores do que é público, em detrimento dos verdadeiros interesses do povo e do futuro do Brasil? Precisamos mudar o conceito de política.

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

INSS cobra 22,5 milhões de Juazeiro nas administrações de Raimundão e Carlos Cruz


O Jornal do Cariri desta semana traz na sua capa matéria sobre desfalque nas administrações dos ex-prefeitos Carlos Cruz e Raimundo Macedo. O Jornal apresenta documento, onde o Juiz da 16° Vara, Tiago José Brasileiro Franco, cita o município de Juazeiro do Norte e determina que seja pago dívida no valor de R$ 22,5 milhões, junto ao Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS). O não repasse dos tributos federais aconteceu entre os meses de setembro de 2004 a setembro de 2008.

Os ex-prefeitos Carlos Cruz e Raimundo Macedo, administradores na época, deverão ressarcir os cofres públicos proporcionalmente as suas estadas a frente da prefeitura no momento que se configurou o desfalque. Na administração de Carlos Cruz foram quatro meses; já Raimundo Macedo deverá responder pelos quatros anos da sua administração.

COMPLICADA a situação do deputado Raimundo Macedo. Digo isso porque não vejo grandes prejuízos ao ex-prefeito Carlos Cruz que, além de dever apenas quatro meses, não é candidato a nada.

Raimundão deve responder por quatro anos de recolhimento não repassado e, vale salientar, esse não é o maior dos seus problemas. Pré-candidato a prefeito, Raimundão deve encarar a notícia como um grande baque em suas pretensões. Na política, o fato de não fazer pode, até, ser justificado; mas, o desvio de recursos não costuma ser perdoado pelos eleitores.

Na mesma matéria do Jornal do Cariri, o deputado Raimundo Macedo, disse não ter conhecimento da dívida. O que nos desperta duas linhas de análise. Uma é a falta de controle e cuidado com a coisa pública, ou seja, descaso com o dinheiro do povo. A outra é que não adianta falar que não reconhece a dívida e que não deve; ele precisa apresentar provas documentais da sua inocência, ou seja, é chamar o secretário responsável pelo repasse e perguntar sobre o assunto, sob pena de ficar o que a justiça aponta e o deputado ter realmente de devolver a quantia ao governo e assumir o desgaste.

Mas, na verdade, essa é apenas mais uma das muitas notícias negativas que atingirem a pré-candidatura de Raimundão. Ainda na última semana o senador Eunicio Oliveira, presidente regional do PMDB, declarou em entrevista a TV Diário, que no Cariri, o partido só tem candidato na cidade do Crato. Outro fato que balançou a fidelidade de Raimundão para com Juazeiro, foi a afirmação do mesmo Jornal do Cariri, na coluna do jornalista Donizete Arruda, de que o deputado não teria destinado nenhum recurso para Juazeiro, sua base eleitora, referentes as emendas parlamentares; enquanto que Parambu teria sido beneficiada com R$ 4 milhões das suas emendas.

Para resumir, no momento, Raimundão está desgastado, sem base de apoio no partido e perdendo a confiança dos juazeirenses. Ou seja, vai ser preciso mais que boas explicações para reverter a situação; será preciso refazer os apoios para fortalecer sua defesa, além de demonstrar mais maturidade nas suas prioridades vislumbrando mais Juazeiro, independente de quem esteja a frente da administração, afinal de contas o povo não pode ser punido pelos desentendimentos políticos das suas lideranças.

Guimarães discute sucessão da liderança e enfrenta oposição da bancada do Sudeste


O deputado federal José Guimarães (PT), se reúne hoje (17), com o presidente nacional do partido, Rui Falcão. Na ocasião será pautada, além da discussão sobre as estratégias da legenda para as eleições 2012, a sucessão da liderança do PT na Câmara.

O parlamentar, que é um dos membros do Grupo de Acompanhamento Eleitoral no Nordeste, pretende colaborar com a construção das alianças em Fortaleza, Recife e Salvador. Segundo ele, o Diretório Nacional, através do grupo de acompanhamento, não pretende intervir diretamente na sucessão municipal.

TANTO NÃO deverá intervir que a sucessão de Fortaleza está, literalmente, nas mãos da prefeita Luizianne Lins. O candidato defendido pelo deputado Guimarães, o caririense Camilo Santana, não emplacou, apesar de ainda estar no páreo, mesmo com chances mínimas.

Luizianne continua fazendo suspense e a cada semana pende para um lado diferente. O resultado dessa indefinição foi a retirada do nome do secretário de Articulação Política Waldemir Catanho, então favorito por todos os analistas.

Quanto a liderança do PT na Câmara, Guimarães terá grande influencia para indicação do nome. Em contrapartida, seu nome enfrenta grandes dificuldades na indicação para a liderança do governo Dilma. O que já aparecia, nos bastidores, como certo começou a sofrer forte oposição da bancada paulista que quer barrar o avanço do Nordeste na influencia junto ao Governo Federal.

A questão é que está jogo, não só a influencia pessoal desse ou daquele parlamentar. Essa influencia vai refletir, na verdade, na destinação de recursos. José Guimarães ao lado senador Eunício Oliveira têm sido, dois dos políticos mais influentes do Nordeste e isso tem incomodado, principalmente, o Sudeste. Cotados para duas das lideranças mais importantes do país, resta saber, até onde eles vão aguentar a pressão.

segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

Cid isolado com as greves


O governador Cid Gomes está chamando a atenção dos seus correligionários e até opositores por estar evitado aparições publicas. Cid tem deixando de comparecer a solenidades que normalmente se faria presente. Já se especula que ele teria sentido intensamente o golpe das greves.

E a situação pode piorar. Nesse momento, diversas categorias estão se arregimentando em torno de possíveis movimentos paredistas. Peritos do Sistema de Verificação de Óbito, Servidores da Justiça e Oficiais de Justiça, já dão como certa a paralisação.

Seria uma sequência as muitas greves como Professores da Rede Estadual, Polícia Civil, Polícia Militar e Bombeiros, enfrentadas pelo governador com grande desgaste a sua administração. Além desses movimentos, outros como Servidores dos Correios, Bancários, Garis, Dentistas e Enfermeiros do Programa Saúde da Família, acabam ajudando o clima de insatisfação da classe dos trabalhadores no serviço público.

NA VERDADE, o que falta por parte dos governos estadual e federal para evitar esses transtornos a sociedade é um pouco de sensibilidade para entender que com o crescimento da economia, os trabalhadores querem participar dessa distribuição da riqueza conquistada.

Não quero dizer que os reajustes não aconteceram; o que quero dizer é que foram priorizados outros setores como infraestrutura e fortalecimento do sistema financeiro, demasiadamente, enquanto que com o funcionalismo apenas foi cumprido o básico, sem ganhos reais e, em alguns casos, tendo perdas de direitos já conquistados.

O dialogo entre trabalhadores, patrões e governo é fundamental para o crescimento social, sob pena da sociedade se tornar vítima das próprias reivindicações, causando caos setorizados e desgastando o governante como é caso do governador Cid Gomes.

O isolamento de Cid se configura como um sinal de fraqueza e pode, inclusive, incentivar outras classes a decretarem mais paralisações. Esse é o momento de um grande esforço para colocar na mesa todas as representações e negociar se antecipando ao pior. Não olhar para o problema não irá resolvê-lo, pelo contrario pode piorar. É hora de agir e a sociedade espera isso do governador Cid Gomes e do governo federal.

PSDB se articula para crescer nas eleições municipais


Com 790 prefeituras no Brasil, o PSDB, maior partido de oposição, pretende chegar este ano a marca dos mil prefeitos eleitos. Para isso, o partido procura se articular com vários partidos.

De acordo com o presidente nacional da sigla, Sérgio Guerra, a intenção dos tucanos é “afinar o discurso entre as legendas e definir uma linha estratégica” que não acabe por beneficiar os aliados do governo federal.

A INTENSÃO é ótima e necessária. O problema na estratégia é o tamanho do universo de partidos que o PSDB terá para se articular. Se pararmos para analisar a situação da oposição, hoje, veremos que ela se articula basicamente com PSDB, DEM e PPS. E quando o presidente Sergio Guerra, diz que não quer beneficiar a base aliada do governo federal, ele acaba restringindo suas articulações municipais a esses três partidos. Claro, com poucas exceções que, na verdade, devem atender a questões locais. E, aí não dá para contar com essa possibilidade em muitos municípios.

Acredito que a melhor estratégia para o PSDB aumentar sua atuação nos municípios, seria apostar na divisão da base aliada que, por ser muito ampla, essa divisão acaba se tornando inevitável, atendendo aquelas mesmas questões locais.

Ou seja, apesar da vontade e da disposição para voltar a crescer o PSDB precisa mesmo é torcer pela divisão da base aliada, incentivada, principalmente, pelos interesses locais, o que a enfraquece politicamente, já que, articular o rompimento dessa base é muito mais difícil do que se pode imaginar.

sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

Arnon Bezerra quer unir oposição no Cariri e fortalecer o PTB


Em entrevista ao Jornal do Cariri, o presidente estadual do PTB, deputado federal Arnon Bezerra, disse que é preciso mais que um candidato forte e boas propostas. A oposição precisa estar unida.

Arnon aponta que 2011 foi um ano politicamente difícil, mas 2012 traz esperanças renovadas. Ele disse ainda que é hora de lançar pré-candidaturas e mirar no topo.

CONCORDO com o deputado Arnon quando ele diz que 2011 foi um ano difícil para ele e para o PTB. Não esqueçamos que em 2011, ele perdeu o comando político da bancada cearense, não deslanchou como pré-candidato em Juazeiro e seu partido não conseguiu ser protagonista em nenhuma das intervenções que discute as sucessões.

Agora é importante ressaltar que mudar essa face em 2012 não será tarefa muito fácil. Se pegarmos o Cariri, veremos que no Crato, onde o PTB é situação nenhuma liderança do partido é cotado para suceder o prefeito Samuel Araripe (PSDB). Na Barbalha, onde é oposição, o ex-prefeito Rommel Feijó voltou ao PSDB e quem comanda o projeto da oposição é o PCdoB. Em Juazeiro, mesmo lançado como pré-candidato, foi atropelado pela, também, pré-candidatura do deputado Manoel Salviano (PSD).

Se formos para a acirrada disputa de Fortaleza, a situação fica ainda mais complicada. Na base aliada o PTB está sem espaço e deve se contentar, no máximo, com o segundo escalão do governo. Mas, se caso fechar com a oposição, deve partir para eleição sem perspectiva da vitória e, ainda, sofrer um grande desgaste junto a base aliada nacional e com o próprio governador Cid Gomes, o que inviabilizaria sua atuação como deputado.

Ou seja, para o PTB e Arnon Bezerra, o caminho é muito difícil. Além de correr o risco de chagar o fim do ano avaliando que 2011 foi melhor que 2012. Não esqueçamos: o está ruim sempre pode piorar. Dependendo dos resultados da eleição outubro, Arnon ainda pode perder o comando do PTB estadual. Mas, isso é assunto para mais tarde.

PMDB recua em Fortaleza e deve manter apoio ao candidato de Cid Gomes


Mesmo com uma estratégia de lançar candidatos próprios no maior número de cidades possíveis, principalmente, aquelas com mais de 200 mil habitantes, o PMDB deve ter outros planos para Fortaleza. A decisão é do senador Eunício Oliveira, presidente regional da sigla, que tem reafirmado a vontade de manter a aliança do PMDB com o governador Cid Gomes na capital.

De acordo com Eunício, no interior do Ceará já são 100 candidaturas cadastradas e definidas. Mas para Fortaleza, devido aos acordos firmados, o processo é de busca pela manutenção da aliança montada em 2006, sob a gestão do governador, que Eunício considera "um verdadeiro sucesso".

ALÉM DE SER sucesso, ele traz para o PMDB boas perspectivas para o futuro. O grande embate da base aliada está na capital e Eunício sabe disso. Quem ficar com a capital deve abrir mão de disputar o governo em 2014. Isso se quiser manter a aliança. Seria demais para um só partido ter a prefeitura de Fortaleza e o governo do Estado.

Caso se confirme o candidato do PT para Fortaleza, o PMDB entra como grande favorito para indicar o nome ao governo. Isso explica, inclusive, a estratégia do PMDB em disputar um grande número de prefeituras, ele vai precisar delas num breve futuro.

O problema é que o outro partido envolvido no processo é o PT; e do partido de Lula, pode-se esperar tudo, já que, como sempre repete algumas lideranças, “o PT não precisa pedir licença a ninguém para ter candidato”. O consenso no partido é um processo construído a duras penas, principalmente, pelo fortalecimento dos grupos internos que, na maioria das vezes, têm interesses distintos.

Mas, o senador Eunício deve estar investindo no bom censo e na grande capacidade de negociação do deputado federal José Guimarães que hoje tem a maioria dos filiados a seu favor. Ou seja, o PMDB investe para ser o grande protagonista em 2014 e, vale salientar, como a muito tempo não via no estado do Ceará. O senador Eunício tem realmente feito o que prometeu quando assumiu o comando da sigla, tornar o PMDB ainda maior.

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Crato tem mais um pré-candidato a prefeito

O empresário Eduardo Magalhães, o Duda das construções, presidente municipal do PHS é o mais novo pré-candidato a prefeito no Crato. A decisão teria sido incentivada por um grupo de filiados com experiência em disputa eleitoral. Duda já foi candidato a vereador, quando obteve cerca de 800 votos, e hoje desponta como principal liderança do partido e já conta com uma chapa de 10 pré-candidatos a vereadores.

O FATOR positivo é que Duda seria mais uma novidade na eleição majoritária do Crato. Mas, o que fortalece a sua pré-candidatura é a forte ligação com um grupo que se articula regionalmente com o deputado Manoel Salviano (PSD). Daí a experiência com esse tipo de processo.

E o grupo começou muito bem na estratégia. Preservou o nome de Duda até agora e, melhor, sem deixar de lado as articulações de bastidores. A informação, ainda não é confirmada, mas o grupo já estaria conversando com vários partidos há algum tempo e teria algumas siglas na sua base.

Outro fator que pode fortalecer o nome de Duda é se ele conseguir se colocar como representante dos comerciantes do Crato. Mesmo que seja aqueles insatisfeitos com as atuais lideranças do setor que, vale salientar, não são poucos.

Em resumo, Duda aparece como liderança de mais um grupo independente que pode deixar a eleição cratense, ainda mais pulverizada, mas também pode se tornar uma via a ser considerada. É esperar para ver o que acontece!

Roberto Celestino reafirma que seguirá decisão do governador


O vice-prefeito de Juazeiro do Norte, José Roberto Celestino (PSB), reafirmou, ontem (11), em entrevista a TV Verde Vale que mantém sua pré-candidatura a prefeito, mas que seguirá a orientação do governador Cid Gomes.

NA VERDADE a pré-candidatura de Roberto Celestino surgiu para abafar os avanços do ex-prefeito de Aurora, o médico Carlos Macedo, então filiado em Juazeiro e que também tinha pretensões de concorrer à prefeitura. Mas, seu nome começou a crescer e, mesmo com a desistência de Carlos Macedo, Celestino se manteve como pré-candidato na perspectiva de crescer mais e ser o nome da base aliada para a disputa deste ano.

Nos últimos meses seu nome começou um caminho inverso e perdeu espaço na preferência da população. Isso se deu justamente a declarações como essa, onde ele deixa claro que a última palavra sobre sua candidatura será do governador. Que a decisão é do governador, tudo bem; o problema está na insegurança que a afirmativa traz ao eleitor. Celestino erra na avaliação de que pode crescer sem passar a segurança necessária para conquistar o eleitor.

Outro fator a ser considerado é que, se o governador demorar a se decidir, Celestino pode ficar sem espaço, dentro das principais chapas que disputarão a eleição. Agora vamos imaginar se o governador não subir em nenhum palanque em Juazeiro, o que não é difícil, já que, existe a clara possibilidade da base aliada ter dois ou mais candidatos. E aí, como ficaria o posicionamento de Roberto Celestino? Poderíamos entender que sua adesão a qualquer um dos candidatos da disputa, seria um indicio de apoio branco por parte do governador?

Ou seja, pra resumir, o atual posicionamento de Roberto Celestino pode comprometer, não só, seu futuro nessa eleição, como também a isenção do governador na reta final do processo.

quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

Vasques e Raimundão são prioridades no Juazeiro para o PSDB


O presidente regional do PSDB, ex-deputado Marcos Cals, articula a composição dos palanques do partido no Juazeiro para as eleições deste ano. A direção do partido conversa, primeiramente, com Vasques Landim (PR), para uma aliança que inclui o apoio do ex-governador Lúcio Alcântara a candidatura Marcos Cals à sucessão de Fortaleza.

Caso o acordo com Vasques não se confirme, o PSDB tem como segunda opção o apoio ao nome do deputado Raimundo Macedo, porém condiciona esse acordo a exigência de Raimundão se declarar candidato de oposição ao governador Cid Gomes.

PERECE QUE as cidades de Juazeiro e Crato são tratadas com dois pesos e duas medidas pelo PSDB. Enquanto no Crato o prefeito Samuel tem carta branca, no Juazeiro a coisa é diferente; tanto que o próprio Marcos Cals, está a frente das negociações em Juazeiro.

Resta saber como ficaria a posição do deputado Manoel Salviano (PSD) com relação a estratégia do PSDB. Até porque, o que se sabe, nos bastidores, é que o diretório local ainda continua sob seu controle. Agora o que não deve ser descartado é que a intervenção de Marcos Cals, já poderia ser um prenuncio de que Salviano estaria perdendo o comando do diretório.

Outro fator que deve ser levado em consideração é a posição da deputada Gorete Pereira, que tem a maioria do diretório local do PR, e pode inviabilizar, não só o acordo como também a candidatura de Vasques. Claro que tudo poderia ser negociado desde que ela fosse a candidata em Maracanaú, base do presidente regional do PR, Roberto Pessoa.

Quanto ao apoio do PSDB a Raimundão, seguido da declaração de oposição ao governador Cid Gomes, estando no PMDB, torna-se quase impossível. Claro que, com a saída (de fato) de Salviano do PSDB, nada é impossível. A final, não existe fidelidade para prefeito. Ele poderia governar, inclusive, sem partido.

Ou seja, o PSDB começa a fazer uma costura muito complicada para ter um palanque em Juazeiro do Norte. É esperar para ver o que acontece.

Até onde a rejeição alta pode inviabilizar uma candidatura

Nesse período pré-eleitoral é comum que várias pré-candidaturas sejam laçadas para avaliação da sociedade. Em Juazeiro e Crato, por exemplo, a base aliada conta com vários pré-candidatos. Para tentar uma unidade, muitos são os critérios utilizados como forma de convencimento. O índice de rejeição é um dos mais relevantes.

NA VERDADE, na política o que conta é quem tem voto ou a impossibilidade dele. Quando um candidato tem uma boa perspectiva de votos, notada, principalmente, através de pesquisa, ele logo sobe no conceito dos investidores e vira objeto de desejo dos partidos menores.

Mas, existe outro fator que pode ser mais importante que estar bem na pesquisa; é estar com a rejeição elevada. Senão, vejamos: quando um candidato tem uma aceitação de 20%, mas, em contrapartida tem uma rejeição de 30%, num universo onde se tem situação pulverizada, ou seja, não polarizada entre dois nomes, sua eleição passa a ser mais difícil.

É claro que isso pode ser reversível. Em 2008, a prefeita Luizianne Lins, detinha uma rejeição alta, o que não impediu sua reeleição. A diferença pode estar numa boa campanha de marketing. No caso de Fortaleza esse marketing foi comandado por Duda Mendonça. Ou seja, quanto mais alta a rejeição, mais cara fica a campanha.

E, vale salientar, que no caso de indicação a sucessão a coisa não muda de figura. O prefeito que indica um sucessor passa para ele, tanto as coisas positivas, como as negativas.

É importante ressaltar que dependendo do patamar dessa rejeição é mais interessante repensar a candidatura e investir num plano de reversão mais prolongado. Nesse trabalho serão identificados os motivos da rejeição e o mal é tratado pela raiz, o que, não pode ser feito em poucos meses.

terça-feira, 10 de janeiro de 2012

Base aliada do prefeito Santana começa tencionar pela indicação da vice


Com o crescimento da pré-candidatura do deputado Manoel Salviano (PSD) que, segundo informações, indicaria o vice na chapa do prefeito Manoel Santana, o PSC de Juazeiro resolveu se mobilizar e já pleiteia a vaga. O nome indicado pelo partido seria do empresário Chicão do Ouro. A ideia do PSC é fortalecer o nome do prefeito junto ao comércio do Cariri.

Mesmo reconhecendo que a indicação é muito boa, os petistas de Juazeiro reafirmam que as prioridades para vice de Santana são: em primeiro lugar, a indicação de um nome pelo governador Cid Gomes; e em seguida, uma aliança com Salviano a quem caberia a vaga de vice-prefeito.

NA VERDADE, é a primeira vez que há um tencionamento com relação ao vice de Santana. Mas, acredito que deva prevalecer as prioridades do partido.

A indicação do vice, feita pelo PSB, de Cid Gomes, significa o fechamento do governador em torno da reeleição do prefeito Santana. O problema dessa indicação é que ela poderia ficar para o último momento, já que, o governador sinalizou que vai esperar.

Com relação a Salviano, tudo vai depender de sua pré-candidatura crescer ou não. Caso sua estratégia não surta efeito, ele deve pretender a indicação, mas se ocorrer o contrário, ele deverá registrar chapa própria e receber a indicação para seu vice vinda do deputado Arnon Bezerra.

No mais, o que fica é que a campanha já começou e os partidos já em composição, começam a procurar seus espaços dentro de um possível novo governo municipal.

PSDB diz que Samuel Araripe tem respaldado para escolher sucessor


A direção estadual do PSDB definiu como responsabilidade do prefeito Samuel Araripe a escolha do nome do seu sucessor. Enquanto isso, Samuel diz que a definição sairá nos próximos meses. Samuel avalia que hoje o cenário para eleger seu sucessor é amplamente favorável com a divisão de forças de oposição.

QUE A INDICAÇÃO caberia ao prefeito Samuel Araripe estava claro e notório. Estranho seria se a direção estadual fizesse qualquer intervenção na indicação. Isso poderia se configurar como enfraquecimento do prefeito.

Quanto a avaliação do prefeito Samuel, sobre um cenário de céu de brigadeiro, a coisa não é bem essa. Dependendo da indicação, sua base ameaça rachar, o que diminuiria consideravelmente suas possibilidades de vitória. Não esqueçamos que o nome pretendido pelo prefeito Samuel, nunca foi experimentado nas urnas. O outro fato é que a outra parte da base aliada do prefeito, não teria a confiança no nome de Cícero França. Apesar de não romper, avalia que ele já teria passado por muitas administrações e jurado fidelidade a todas elas.

Ou seja, mesmo com o aval do PSDB, a situação do prefeito Samuel Araripe, não é simples e requer muitos cuidados, principalmente, com o que ele decidirá.

segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

121 deputados querem ser prefeitos


Menos de um ano após tomarem posse, 127 congressistas já planejam trocar de função e disputar, em outubro, uma cadeira de prefeito nas suas cidades. Segundo levantamento feito pelo Jornal Folha de São Paulo, 121 deputados federais e seis senadores, 21% do total de 594 parlamentares, tentam viabilizar seus nomes para o pleito deste ano.

A oficialização das candidaturas ocorre em junho e os congressistas não precisam se licenciar para a disputa. Os parlamentares pré-candidatos levam vantagens como a visibilidade do mandato e a possibilidade de terem, até abril, verba para produzir jornais e vídeos a título de divulgação do mandato.

INFELIZMENTE, essa uma conduta normal na política brasileira. Mas, vamos entender o porquê desse fenômeno. Um deputado ou senador movimenta entre, verbas de gabinete e emendas parlamentares, algo em torno de R$ 10 milhões por ano. Enquanto isso, uma prefeitura de médio porte, como Juazeiro, por exemplo, pode movimentar isso em apenas um mês. Na verdade, o que conta para esses parlamentares é a verba que o cargo proporciona, e não o interesse social.

Agora, estamos diante de uma reforma política que poderia resolver isso. A interferência da sociedade seria importante para se criar um mecanismo para barrar esses caçadores vorazes de recursos. A provável lei poderia, inclusive, não resolver o problema da política brasileira, mas, com certeza, inibiria o político que só pensa no tamanho do poder em suas mãos.

Bancada cearense deve ter novo líder na Câmara ainda esta semana


Esta semana, os parlamentares cearenses em Brasília deverão se reunir para escolher um novo líder para a bancada. O deputado Arnon Bezerra (PTB), atual líder, tem recebido inúmeras críticas dos colegas pelas dificuldades encontradas na liberação de recursos para o Ceará, além da insatisfação em relação à condução dos trabalhos.

A crise teria se agravado, após Arnon Bezerra saber que o colega petista, José Guimarães, conseguiu liberar uma emenda inviabilizando um pleito do líder. O grupo deve se encontrar amanhã, 10, para decidir quem coordenará a bancada federal do Ceará até o fim deste ano.

NA SEMANA passada, após pegar um imenso chá de cadeira no gabinete da ministra Ideli Salvatti, Arnon ameaçou deixar a liderança da bancada. Para nós pareceu que aquela situação teria chateado o deputado líder, mas a coisa não foi bem essa. Arnon já vinha se desgastando e naquele dia teve a comprovação, perante seus liderados que, realmente, estava sem prestigio e sem poder articulação, o que, vindo de um líder de bancada inviabiliza todo o estado.

No jogo do poder vale quem tem prestigio, ou seja, quem é mais amigo do “rei”. O deputado Arnon sabe disso é está tendo a hombridade de reconhecer e pedir seu afastamento para não prejudicar toda a bancada. Resta saber quais os reais motivos desse desprestigio que acometeu Arnon Bezerra.

Quanto a verba em questão na polêmica com o deputado Guimarães; uma emenda destinada, entre outras coisas, a obras de requalificação da Beira Mar e infraestrutura do Cariri, foi a prova cabal de toda essa situação porque passa Arnon. E não é certo ele ficar chateado com José Guimarães. Ele apenas acelerou um recurso de que a prefeitura de Fortaleza e o Cariri necessitam e não poderiam ficar esperando Arnon retomar sua influencia. E, vale salientar, a interferência de Guimarães foi solicitada pelo secretário de Articulação Governamental da Prefeitura de Fortaleza, Waldemir Catanho (PT), o vice-governador, Domingos Filho (PMDB), e a secretária de Turismo de Fortaleza, Patrícia Aguiar. Afinal teremos eleições este ano e as obras precisam ser concluídas.

quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

Manoel Salviano na base do governador


Seguindo o caminho desenvolvido pelo PSD no Brasil, como partido de centro, o deputado Manoel Salviano, já se articula na base de apoio do governador Cid Gomes no Congresso Nacional.

A ponto de se livrar do compromisso de apoiar a candidatura do deputado federal Arnon Bezerra (PTB) à prefeitura de Juazeiro do Norte, Manoel Salviano pretende conversar e, claro, obter a simpatia de Cid Gomes para sua candidatura.

O aval seria importante para obter mais apoios partidários e, consequentemente, o fortalecimento político, além de agregar outras legendas para viabilizar o tempo de Rádio e TV, já que, seu partido ainda dispõe desse tempo.

PARECE que o deputado Manoel Salviano começa a se colocar de forma concreta como a terceira via na eleição desse ano. Ele vem desenvolvendo uma estratégia que, até, agora vem dando resultados positivos. Apesar de se colocar como opção, ainda, não fechou as portas para a discussão com forças como a do prefeito Manoel Santana. Ou seja, Salviano se coloca como opção, mas acaba não entrando na chamada “zona de tiro”, já que, Raimundo Macedo, também, ainda sonha com seu apoio.

Por outro lado, ele vem articulando com outros partidos e, até, com o governador Cid Gomes que, hoje, ainda é o melhor cabo eleitoral para qualquer candidato no Ceará. Há muito tempo longe da prefeitura e, consequentemente, sem o desgaste natural do poder, Salviano deve ter o menor índice de rejeição dos três nomes em questão. E assim, se melhorar sua colocação junto a opinião pública pode entrar com chances reais na disputa pela prefeitura.

Se eu fosse o prefeito Manoel Santana e deputado federal Raimundo Macedo, começaria a me preocupar com deputado Manoel Salviano.

Eduardo Campos não quer Ciro ministro


Para ser ministro da Ciência e Tecnologia, Ciro Gomes enfrenta à resistência da ala petista que teme o encolhimento do partido no governo, além de segmentos do PSB que enxergam em Ciro uma ameaça a candidatura de Eduardo Campos a presidência em 2014.

O governador de Pernambuco e presidente nacional do partido, Eduardo Campos, criou um movimento de resistência dentro do próprio PSB para impedir a subida de Ciro. A vaga deixada por Aloizio Mercadante está valendo ouro e a disputa promete aumentar; mas, mesmo, com as pesadas investidas contra, a presidente Dilma Rousseff parece firme na decisão de ter Ciro na Esplanada.

CIRO É, hoje, o melhor capitão para comandar a tropa de elite que pretende barrar o avanço do fenômeno Eduardo Campos, avaliado melhor governador do Brasil. Mas, aí você pode se perguntar por que existe uma ala do PT que não reconhece essa estratégia como boa. E aí, é importante entender o PT como um partido com várias linhas de pensamentos e, também, objetivos diferenciados. E isso, lá, é normal. Eles aprenderam a conviver e respeitar os vários posicionamentos.

Quanto ao PSB. Ciro quer a qualquer custo mostrar a Eduardo Campos que não é tão fácil derrotá-lo. É a velha teria do: “se não vivo eu, morremos os dois abraçados”. Eduardo ganhou a briga interna, mas subestimou a capacidade do Ciro em se articular fora das veias partidárias. E isso, vale salientar, ele sabe fazer muito bem.

Mas, na verdade, quem mais ganha com essa disputa interna do PSB é o PT que enfraquece um adversário potencial e elimina uma possível dor de cabeça futura. Eduardo Campos, preocupado com Ciro, significa Eduardo Campos fora de foco, dominado.

PCdoB organiza oposição e apresenta novo projeto político para Barbalha


O PCdoC apresentou, em uma reunião com partidos de oposição, um plano de trabalho e uma minuta do projeto “A Barbalha é do Povo”. O projeto foi submetido ao plenário e aprovado pelos nove partidos presentes. PCdoB, PDT, PR, PPS, PTC, PSDC, PRTB, PSDB e PHS, criaram um grupo de trabalho que conduzirá a construção da proposta.

Durante o evento, na Câmara Municipal, os presidentes dos partidos falaram da importância de um projeto construído “de baixo para cima, com a participação popular”. Além dos representantes partidários, estiveram presentes lideranças políticas como o ex-prefeito Rommel Feijó, presidentes de associações, empresários e demais cidadãos.

No evento os partidos firmaram um pacto, onde os nomes dos candidatos serão apresentados após a consolidação do projeto e o aval dos diversos segmentos da sociedade. O grupo de trabalho deve se reunir no próximo dia 10 de janeiro.

EM PRIMEIRO LUGAR é importante ressaltar a maturidade com que a oposição de Barbalha está conduzindo o processo. Um projeto que tem como principio da construção a partir das bases sociais, consegue o comprometimento desse segmento social e, isso, é muito importante numa campanha.

Outro fator que pode fazer a diferença é construir o projeto preservando o nome que irá defendê-lo. Assim, todos os partidos se sentem parte do processo e podem almejar a cabeça da chapa. E claro, fica mais fácil a discussão, pois as atenções estão voltadas para o projeto. Acredito que o nome seja escolhido segundo critérios como pesquisa, representação e força política, além da capacidade de liderança dentro desse processo que está sendo desenvolvido.

Ou seja, na Barbalha, a oposição está organizada e sabendo o que quer. E, vale salientar, é o processo de discussão mais adiantado e maduro do Cariri. Então, que Zé Leite se cuide, pois terá muita dificuldade pela frente.

Raimundão busca fortalecimento e Arnon já e pretendido


Segundo informações do Jornal do Cariri, o deputado federal Raimundo Macedo (PMDB), buscando o fortalecimento político da sua pré-candidatura, procurou o, também, deputado federal e pré-candidato e prefeito Arnon Bezerra (PTB) para fechar um acordo eleitoral em torno do seu nome. O acordo passaria pelo apoio a reeleição de Arnon a Câmara Federal, além da indicação do vice.

Segundo o Jornal a pretensão de Raimundão passa também pela perspectiva de ter Manoel Salviano em seu palanque. E essa tarefa ficaria a cargo de Arnon.

ENQUANTO o acordo era de apoio e indicação do vice, tudo bem. Mas, o papel de Arnon complica quando ele passa a ter a tarefa de trazer Salviano para a aliança. Primeiro, porque, no grupo de Arnon, a liderança é Salviano. Depois, a questão de Salviano com Raimundão não é política, ela é de ordem pessoal, o que torna a tarefa quase impossível.

Mas, por outro lado, não acredito que Arnon deva embarcar nessa proposta, até porque, faz parte de uma boa estratégia e o que Raimundão ofereceu a Arnon ele deve ter dentro do seu grupo. Ou seja, Raimundão não ofereceu nada que ele já não tenha, além de ter trazido uma tarefa senão impossível, muito difícil de ser articulada.

Agora o que fica de dúvida é: realmente, quantas vagas de vice terá Raimundo Macedo? Afinal ela já foi oferecida a muitas lideranças. Estaria aí uma dificuldade de compor a chapa? Isso, só o tempo nos dirá.

quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

Jornal do Cariri diz que disputa em Juazeiro está entre Santana e Raimundão


O Jornal do Cariri, na sua coluna política, veiculou nesta semana a informação da existência de uma pesquisa encomendada pelo governo do Estado e que coloca as pré-candidaturas do deputado federal Raimundo Macedo (PMDB) e do prefeito Manoel Santana (PT) numa disputa muito acirrada.

O texto diz que Raimundo Macedo ainda lidera, mas a diferença diminuiu consideravelmente, um quadro muito diferente de um ano atrás. Os dados da pesquisa não serão divulgados, eles servirão apenas para o balizamento do governador nas próximas eleições.

ACREDITO que o governador deve, inclusive, usar a pesquisa como argumento para convencer os concorrentes acerca do melhor nome. O que importa a partir de agora é quem tem mais armas para enfrentar a disputa. E isso envolve posicionamento nas pesquisas, partidos na base e, claro, a máquina pública é ponto diferencial.

Acho que o grande erro de Raimundão foi colocar sua pré-candidatura tão cedo. Ele foi com sede de mais ao pote. Segundo denuncias do próprio prefeito Manoel Santana, ele teria abandonado o mandato de deputado federal para iniciar uma campanha prematuramente.

Quando assumiu cedo a candidatura, Raimundão se colocou na chamada “zona de tiro” e, aí, passou a ser atacado no mesmo patamar que o prefeito Santana. Por uma questão lógica Manoel Santana já está nessa zona de tiro desde que assumiu a prefeitura.

O jornal não fala sobre as outras pré-candidaturas, mas acredito que nesse momento, elas devem estar com patamares diminutos, acredito que pela divisão do grupo de Manoel Salviano, mas devem aparecer com força quando colocarem em prática a segunda etapa da estratégia e se juntarem para compor a chamada terceira via.

Outro que deve pensar em definição é o vice-prefeito Roberto Celestino, pois seu posicionamento também será decisivo para disputa. Ele deve decidir entre seguir orientação do diretório local pela candidatura própria ou se juntar a um dos concorrentes. Celestino insiste em esperar o posicionamento do governador, mas o nome em jogo é o dele e existe um momento em que é preciso se definir para se preservar.

terça-feira, 3 de janeiro de 2012

O cuidado com a propaganda eleitoral antecipada


O ano se inicia com restrições a propagandas eleitorais. Os primeiros dias de 2012 marcam o início do monitoramento dos candidatos a cargos eletivos e a reeleição de políticos que já ocupam esses cargos. Os candidatos devem ficar atentos as regras para publicidade institucional, que nesse período está proibida. A propaganda institucional será liberada a partir do dia 7 de julho.

As regras consistem na proibição da distribuição gratuita de bens, valores ou benefícios aos cidadãos e também a continuidade de programas sociais oferecidos por entidades vinculadas a um eventual candidato nas eleições deste ano.

É MUITO importante que os pré-candidatos fiquem atentos as regras da propaganda eleitoral. Ela pode tirá-los da disputa, bastando apenas que outro candidato ou algum eleitor se sentir prejudicado e formular denuncia. É claro que a justiça não precisa ser provocada, bastando apenas a identificação da propaganda irregular para impugnar uma candidatura.

Nas cidades do triângulo crajubar, já se percebe alguns casos passíveis de fiscalização. Os abusos vão de anúncios de candidaturas utilizando meio de comunicação até utilização de entidade de reabilitação de drogados, como ponte eleitoral. Em um dos casos, essa propaganda acontece por meio de spot publicitário veiculado diariamente em programas de rádio.

É preciso que a justiça esteja atenta, já que, a propaganda antecipada coloca em xeque a credibilidade do processo eleitoral, além de ser injusto com quem age dentro da legalidade.

Mas, é importante ressaltar que existem aqueles pré-candidatos que agem sem o conhecimento da lei. Por isso, é importante que antes de fazer qualquer coisa relacionada a candidatura, o pretendente ao cargo eletivo procure uma assessoria jurídica para não comprometer o futuro da sua candidatura.

Partidos esperam decisão de Cid para definirem apoios


Apesar de já ter algumas preferências para a eleição deste ano, o governador Cid Gomes, evita fechar questão sobre o assunto. No mesmo caminho vêm os partidos da aliança. O vice-presidente estadual do PHS, deputado Tin Gomes, disse acreditar que a indicação do PT de Fortaleza terá o apoio da legenda, caso sua indicação seja confirmada e aceita pelo governador Cid Gomes e os demais partidos da base aliada.

Na capital o nome do PT continua indefinido, apesar da indicação do secretário de Articulações Políticas da Prefeitura, Waldemir Catanho, ser dado como certa, a prefeita deixa aberta a discussão até o próximo dia 15, data estipulada por ela para o anuncio.

COMO O PT ainda não definiu um nome, o governador tem considerado a possibilidade de outras pré-candidaturas, deixado o cenário político de Fortaleza ainda mais indefinido. Isso porque os partidos que não tem pretensões só irão se manifestar, após posicionamento do governador Cid Gomes.

No interior a situação é diferente. Enquanto na capital Cid espera uma definição do PT, no interior ele espera que os partidos da aliança cheguem ao consenso, sob pena dele não subir no palanque onde a base aliada estiver dividida.

Então a questão é: onde o governador não se manifestar, pra onde vai o apoio dos outros partidos da base que não tiverem candidatos? Acredito que isso vai depender da liderança individual de cada pré-candidato. Na verdade, começa aí a percepção da capacidade de negociação do pré-candidato no sentido de agregar forças em torno do seu projeto.

segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

Arnon Bezerra ameaça deixar liderança da bancada


A ameaça veio após uma longa espera na ante-sala da ministra das Relações Institucionais, Ideli Salvatti (PT). Em busca de liberação de emendas parlamentares, Arnon e outros parlamentares, fizeram uma verdadeira romaria para falar com a ministra que estava de férias. Depois de uma longa espera, quem deu as explicações foi o secretário-executivo do ministério, Claudinei do Nascimento.

Os coordenadores das bancadas estavam atrás de explicações sobre os cortes nas verbas destinadas aos estados. Passaram um dia de espera e ainda saíram frustrados sem perspectiva de resolução para o problema. A revolta foi geral, inclusive, entre os petistas.

SOBRE o episódio cabe duas analises: uma política e outra econômica. Na política é importante deixar claro que foi um desgaste desnecessário. A ministra deveria ter reunido todos os lideres e explicado os motivos dos cortes.

Mas, é importante, também, dizer que os parlamentares têm parte dessa culpa. O orçamento geral da união só é votado no apagar das luzes do fim de ano, graças ao temor de uma debandada geral dos parlamentares de Brasília. Ou seja, o orçamento é a mais importante das votações e se ela for votada mais cedo, nossos deputados tiram férias antecipadas.

Já sobre a perspectiva econômica, fica uma grande preocupação. Quando o governo centraliza recursos em seu caixa é porque teme uma recessão futura. Estamos avançados em vários setores, mas a infraestrutura é um setor de demanda reprimida e que precisa ser resolvido com certa urgência. E nesse caso a centralização acaba por emperrar o setor, já que, sempre esbarramos na burocracia. Veja-se o exemplo do PAC.

No mais, fico triste quando vejo um parlamentar tão importante para o desenvolvimento do Estado, como é o líder da bancada, fazendo beicinho ao dizer que vai abandonar sua responsabilidade, por que não foi atendido na hora que desejava. Agora vocês imaginem se os cidadãos que, muitas vezes, passam dias de espera para falar com esses mesmo deputados, resolvessem não votar mais. Nós não teríamos mais eleição por falta quórum. Ah, deputado Arnon Bezerra, vamos deixar de brincadeira, a coisa é séria!

Ciro Gomes volta a ser cotado para ministério


Ciro Gomes volta a ser cotado para assumir o Ministério da Ciência e Tecnologia. Ele assumiria a vaga de Aloizio Mercadante (PT-SP), que deve assumir o Ministério da Educação. A possibilidade traz de volta o nome de Ciro Gomes para as discussões da nova composição para a Esplanada dos Ministérios.

Informações do jornal Correio Braziliense, dizem que há cerca de duas semanas Mercadante e Ciro conversaram pessoalmente no ministério. A reunião teria acontecido a contragosto da ala petista que pretende emplacar o nome do deputado Newton Lima (PT-SP) no comando da pasta. Ele seria um quadro técnico.

É, PARECE que a presidenta Dilma está tendendo a ouvir os políticos mais experientes do partido. Eles, com certeza, conhecem melhor as articulações políticas. Eduardo Campos começa a ganhar muita força para a sucessão de 2014 e jogar Ciro nos calcanhares do governador de Pernambuco pode ser uma boa estratégia.

O problema é que uma das alas do PT, não está preocupada com essa articulação para 2014, e avalia que o partido pode diminuir com a reforma ministerial. A questão é que os mais experientes preferem encolher, mas permanecer no comendo central do Planalto.

Para se ter uma ideia das consequencias da indicação, o PSB, já anunciou que, se ela acontecer, deve ser creditada na cota pessoal da presidenta Dilma. Ou seja, o PSB quer sua vaga independente da indicação do Ciro. O que, num primeiro momento, deve ser negado e ver o que acontece.

Para amenizar a pancada, o governador Cid Gomes prometeu a presidenta Dilma que Leônidas Cristino, indicação dele, entregaria o Ministério dos Portos. Claro que os dois ministérios têm pesos bem diferentes, o que, não deixa de ser uma atitude louvável.

Em resumo, se Ciro Gomes, de fato, assumir o Ministério da Ciência e Tecnologia terá mais poder de barganha para brigar de igual para igual com o grupo do governador Eduardo Campos, que hoje, mantém o controle nacional do PSB. A ideia é esfriar as pretensões de Eduardo em ser candidato a presidente em 2014.